15 de maio de 2021

𝐀 𝐅𝐚𝐦í𝐥𝐢𝐚 𝐝𝐚 𝐑𝐮𝐚 𝐒𝐞𝐦 𝐒𝐚í𝐝𝐚




Plano Nacional de Leitura
Literatura - dos 9-14 anos

«Uma história repleta de ternura e humor, que nos relembra que a felicidade está nas pequenas coisas.

Os Ruggles são, provavelmente, a família mais unida e divertida da Rua Sem Saída.

Não existem momentos de tédio nesta família. Os sete filhos - três raparigas e quatro rapazes - dão cabo do juízo dos pais com as suas escapadelas e tropelias - como a inesperada viagem aérea de Jim a bordo de um cano de esgoto... ou aquela ocasião em que a pequena Peg acabou nos braços de um polícia, em Londres... Até William, o bebé da família, saiu muito cedo da casca.

Livro vencedor da Carnegie Medal, um dos mais importantes prémios da literatura infantojuvenil do Reino Unido.» Fonte

 

Famílias em Construção



 Plano Nacional de Leitura 

Literatura - Dos 9 aos 11 anos - Dos 12 aos 14 anos - Dos 15 aos 18 anos

«Crescer é um desafio enorme. Mas às vezes é difícil decidir que caminho devemos seguir. A Escolha É Minha é uma coleção sobre as opções que tens de tomar todos os dias com histórias de vida contadas por jovens tais como tu. Esta história, Famílias em Construção, podia bem ser a tua ou quem sabe a de alguém que conheces.

A Clara encontra-se numa encruzilhada: a sua vida será, a partir daquele momento, repartida entre a casa da mãe e a casa do pai, com a sua nova mulher e o filho dela, Miguel, que não pretende tornar a vida de Clara fácil. Também para ele não é uma mudança desejada. 

O Bernardo vê a sua família em turbilhão e o Pedro vai ter de se adaptar a um novo país, porque a sua família vai emigrar. Aos poucos, todos eles vão descobrir que as suas vidas estão constantemente em construção e que há muito de bom para aproveitar!» Fonte

Álbum de Famílias


Plano Nacional de Leitura

«Cultura e Sociedade - Dos 6 aos 11 anos

O que é uma família?

O que ajuda uma família a ser feliz?

Estas são as perguntas que a Esperança colocou aos seus colegas, desafiada pela professora a refletir sobre a diversidade das famílias atuais. Com as respostas, a Esperança fez um álbum muito especial sobre crianças que vivem com ambos os pais, ou apenas com um deles; crianças que alternam entre a casa da mãe e a casa do pai, ou que vivem com outros familiares; crianças acolhidas em famílias ou em instituições; crianças adotadas ou que têm dois pais ou duas mães.

Ao lê-lo, perceberás que todas as famílias são muito diferentes, mas têm uma coisa em comum. Sabes o que é? São um espaço de afetos, onde o amor que as une é mais importante do que qualquer outra das suas caraterísticas.

Livro recomendado por:
- Associação Portuguesa para a Igualdade Parental e Direitos dos Filhos
- Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens
- Grupo Famílias Arco-Íris da Associação ILGA Portugal
- SFRAA/Quinta de S. Miguel - Casa de Acolhimento Temporário » Fonte

14 de maio de 2021

A grande epidemia da tuberculose

Assistência Nacional aos Tuberculosos. Sob a protecção de sua Magestade a Rainha / Atelier Jorge Colaço. – Lisboa : Assistência Nacional aos Tuberculosos, 1904.
Cota: BNP CT. 235 G. Cx. disponível em: https://purl.pt/16998





No passado, o nosso país viu-se a braços com outras pandemias, uma delas a da tuberculose.
«Em finais do século XIX, a rainha D. Amélia desenvolveu todos os esforços para criar uma instituição que pudesse encetar uma acérrima luta contra o flagelo da tuberculose. Assim, em dezembro de 1899, foram aprovados os estatutos da A.N.T. (Assistência Nacional aos Tuberculosos), que desempenhou um importantíssimo papel no combate nacional a esta doença.
É neste contexto que surge este cartaz, de enorme impacto informativo, que foi largamente divulgado e que, certamente, cumpriu a sua função de luta contra a epidemia.»


 

𝐈𝐕 𝐖𝐞𝐛𝐢𝐧𝐚𝐫 “𝐄𝐧𝐬𝐢𝐧𝐚𝐫 𝐞 𝐀𝐩𝐫𝐞𝐧𝐝𝐞𝐫 𝐏𝐨𝐫𝐭𝐮𝐠𝐮ê𝐬”, 𝐧𝐨 𝐝𝐢𝐚 𝟏𝟖 𝐝𝐞 𝐦𝐚𝐢𝐨, 𝐩𝐞𝐥𝐚𝐬 𝟏𝟕𝐡𝐨𝐫𝐚𝐬.


 

𝐒𝐞 𝐨 𝐌𝐮𝐧𝐝𝐨 𝐈𝐧𝐭𝐞𝐢𝐫𝐨 𝐅𝐨𝐬𝐬𝐞 𝐅𝐞𝐢𝐭𝐨 𝐝𝐞 𝐌𝐞𝐦ó𝐫𝐢𝐚𝐬


«Escrito pelo poeta Joseph Coelho e ilustrado pela premiada artista e designer Allison Colpoys

Se o mundo inteiro fosse feito de memórias, o passado seria uma casa que eu podia visitar, e em todas as divisões encontraria o meu avô.

Um livro terno e bonito que nos fala da relação e da cumplicidade entre uma menina e o seu avô, e de como as pessoas que amamos podem manter-se vivas para sempre no nosso coração.

Não é fácil abordar o tema da morte com as crianças. Esta delicada história pode propiciar uma conversa sobre afetos e como manter viva a memória de quem já partiu. O texto poético e as ilustrações felizes combinam-se numa história que celebra a vida e o poder das recordações para oferecer conforto face à perda de um ente querido.

O livro ideal para partilhar entre avós e netos. Ilustrações muito originais, numa edição de capa dura e com acabamentos de fino recorte.» Fonte

 

13 de maio de 2021

"Noite e Nevoeiro": para não esquecer os horrores do nazismo

 Guião do filme "A Noite e o Nevoeiro"




O Diário de Anne Frank em Banda Desenhada


 

Obrigada!


 

História de Portugal do XX. Vamos aprender?

 Para os apaixonados  pela História de Portugal do século XX, eis uma ligação onde poderão pesquisar, aprender, sobre este assunto tão interessante.

«O Arquivo da RTP integra Conteúdos desde a década de 1930 até à atualidade. Um acervo rico e transversal, composto por documentos em formatos diversos (imagem em movimento, audio, fotografia, textos) a que poderá aceder mediante uma fácil pesquisa.» Fonte


Arquivo RTP



Atlas do Mundo: Uma Viagem Pelas Diferentes Culturas do Nosso Mundo!


Plano Nacional de Leitura

Cultura e Sociedade -  dos 6 aos 14 anos

«Mais do que um simples atlas, original e completo!

Além do habitual mapa-mundo e das caraterísticas de continentes e oceanos, temos um infindável leque de informações e histórias incríveis espalhadas por todo o mundo. Já alguma vez reparaste que a bandeira do Nepal é a única bandeira nacional que não é quadrada ou retangular? E sabias que a Torre Eiffel é o monumento mais visitado do mundo?

Repleta de ilustrações belíssimas, de cores vibrantes, esta viagem pelo nosso planeta vai ensinar-nos a reconhecer centenas de bandeiras; que existem veículos, trajes e objetos (antigos e modernos) que desconhecíamos por completo; quais os monumentos que não podemos mesmo deixar de visitar; quais os animais e plantas que podemos encontrar em cada um dos seis continentes, entre tantas outras curiosidades incríveis!

Um atlas bastante completo, que explora de forma simples e resumida temas entusiasmantes e factos históricos variados como a natureza, a gastronomia, os monumentos, o dinheiro, os meios de transporte, o vestuário, entre outros. Edição em capa dura e folhas resistentes, que a torna muito duradoura.» Fonte

 

12 de maio de 2021

𝗖𝗲𝗰𝗶𝗹𝗶𝗮 𝗚𝗲𝘄𝗲𝗿𝘁𝘇 - 𝗩𝗼𝘇𝗲𝘀 𝗱𝗼 𝗛𝗼𝗹𝗼𝗰𝗮𝘂𝘀𝘁𝗼


 

O MENINO ETERNO de JOSÉ JORGE LETRIA e DANUTA WOJCIECHOWSKA

 



Sinopse

“Esta é uma história inventada, mas podia não ser, já que as personagens que a povoam e as situações que elas protagonizam são tão eternas como o próprio Homem, que nunca renuncia ao sonho da infância e ao desejo de ser imortal.

O Menino Eterno é uma história para todas as idades e de todas as idades, que faz a ponte entre gerações e…”

 

Fonte: https://www.almedina.net/o-menino-eterno-1563837404.html

 

11 de maio de 2021

Os Adultos? Nunca!

 9-11 anos

 SINOPSE

«Os adultos são sempre bons. Nunca se atrasam. Nunca fazem ou dizem asneiras. São calmos, arrumados e reciclam sempre. Enfim, verdadeiros exemplos de bom comportamento.

Ou será que não?

A dupla imbatível Davide Cali e Benjamin Chaud volta a surpreender-nos e a virar o mundo às avessas para nos desvendar a mais pura realidade: os adultos são tal e qual as crianças! Um livro insólito e muito divertido para miúdos e graúdos.» Fonte

10 de maio de 2021

Dentro de uma caixa


SINOPSE

«Por entre labirintos de palavras, José Jorge Letria oferece-nos um mundo a explorar.

Aqui encontramos uma voz que nos convida a descobrir o que está dentro de uma caixa e todos os sonhos que ela encerra.

São histórias de búzios, de poetas, de mar, de livros, de vida a pulsar e avançar.

Para nos dar a conhecer este mundo, Ana Afonso, ilustra, de forma magistral, os sonhos e a magia que há em todos nós.

Um livro delicado para todos lerem e sonharem.» Fonte

 

Esconder-se num Canto do Mundo

15-18 anos 

 SINOPSE

«Para aqueles que têm a sensação de que o mundo não funciona, há um canto onde se podem esconder e aí encontrar a tranquilidade e o silêncio em forma de notas de música. "Esconder-se num canto do mundo" é mais uma proposta de Jimmy Liao que toca de forma sensível tanto a beleza como a tristeza da vida.» Fonte

8 de maio de 2021

AVÔ, CONTA OUTRA VEZ de JOSÉ JORGE LETRIA e ANDRÉ LETRIA

 


SINOPSE

Plano Nacional de Leitura

Livro recomendado para o 3º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.

 

“Mora neste livro um poema que a ternura de um avô dedicou ao seu neto pequenino. O menino cresce com «estrelas no olhar e andorinhas no sorriso», a ouvir muitas palavras novas e a saltitar em passos pequenos. Feliz, o avô dá-lhe a mão enquanto planeia os longos passeios que farão e os livros que lhe lerá, esperando ouvi-lo sempre a pedir: «Ó avô, conta outra vez!» Esta prenda é embelezada por outra mão familiar em desenhos de objetos e paisagens com o cheiro do outono e a calma do mar.”

Fonte: https://www.bertrand.pt/livro/avo-conta-me-outra-vez-jose-jorge-letria/15851824

DISPONÍVEL NA TUA BIBLIOTECA!

A Loja das Palermices


SINOPSE

«Na Loja das Palermices há de tudo: antiguidades e modernices, uma menina lourinha, ninhos de andorinhas e velas sem pavio para mastros de navio.

Para visitar esta loja fantástica, as crianças só têm de apanhar boleia de bicicleta ou camião e irem diretas para à Rua da Imaginação.» Fonte

 

𝗔 𝗠𝗮𝗴𝗶𝗮 𝗱𝗮𝘀 𝗘𝘀𝘁𝗿𝗲𝗹𝗮𝘀 𝗔 𝗳𝗮𝗯𝘂𝗹𝗼𝘀𝗮 𝘃𝗶𝗱𝗮 𝗱𝗲 𝗞𝗼𝗻𝘀𝘁𝗮𝗻𝘁𝗶𝗻


SINOPSE
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.

«Este é um romance histórico, um tipo de livro com resultados muito positivos no mercado português.
Com um acabamento cuidado e uma capa bastante apelativa torna-se um excelente livro de oferta.
O autor parte da vida de Konstantin Tsiolkovsky, o pai da ciência espacial russa, para nos dar a conhecer o ambiente de um país no final do século XIX. Das florestas infestadas de lobos, aos bordéis de Moscovo, dos confins da vida na aldeia, às maravilhas da Era do Vapor, de uma terrível tragédia à maravilhosa descoberta de um grande amor, A Magia das Estrelas, o romance brilhante e inspirador de Tom Bullough é um livro que cativará todos os que o lerem.» Fonte


 

7 de maio de 2021

Contamos contigo!









 

𝘚𝘦 𝘗𝘦𝘳𝘨𝘶𝘯𝘵𝘢𝘳𝘦𝘮 𝘱𝘰𝘳 𝘔𝘪𝘮 𝘋𝘪𝘨𝘢𝘮 𝘲𝘶𝘦 𝘝𝘰𝘦𝘪


SINOPSE
«Se Perguntarem Por Mim Digam que Voei é talvez o livro em que a autora mais se distancia dos modelos narrativos a que o romance juvenil nos habituou.

Das vidas das várias mulheres que constituem o núcleo das personagens principais, retém-se sobretudo o fim da adolescência e a idade adulta. Ao longo de sucessivas gerações e de cerca de quatro décadas, acompanha-se as ligações entre duas casas de província que servem de cenário à quase totalidade da acção.

Trata-se de uma narrativa de alguma complexidade, tendo por base uma sucessão de nomes femininos cuja perfeita articulação só se torna perceptível já em fase avançada do relato. É um teatro de amores e desamores, de submissões e fugas, de frustrações, ressentimentos e preconceitos.

Para algumas personagens, escapar à atmosfera sufocante desse mundo provinciano e fechado é tarefa impossível.» Fonte



 

6 de maio de 2021

DESAFIOS DE LEITURA E ESCRITA - ABRIL 2021

 

TRABALHO VENCEDOR DOS DESAFIOS DE LEITURA E ESCRITA DO MÊS DE

 ABRIL DE 2021


Liberdade é…


poder ir à escola livremente; andar pelas ruas; expressar a nossa opinião sem ter medo.

ter poder de escolha e ter direito ao voto.

praticar determinadas acções sem que sejamos censurados; ter condições para viver.

ter possibilidade de viver com independência e igualdade de direitos entre homem e mulher.

poder escolher o nosso trabalho e poder ter bens pessoais.

afirmar a liberdade feminina.

liberdade de circulação e bens.

liberdade de género.

respeitar tudo e todos, percebendo que “a minha liberdade acaba, onde a tua começa”.

ser cidadão sem ser escravo.

poder escolher o que fazer, dizer, vestir.

amizade, justiça, poder sair de casa em segurança;

ter acesso à educação, ter direito a serviços médicos.

escolher o nosso próprio caminho, ser eu-próprio (género, raça, cor); ser verdadeiro, não ser hipócrita.

ter direito de não ser censurado; ler sem que o “lápis-azul” risque o que não se podia ler.

estarmos com quem quisermos, fazer o que gostamos.

é “respeito” revelado de outra forma.


A liberdade é um direito e um dever que devemos valorizar e preservar!

 


PARABÉNS AOS ALUNOS DE ESCRITA CRIATIVA DO 7º ANO!

𝑽𝒊𝒂𝒈𝒆𝒎 𝒂𝒐 𝒄𝒆𝒏𝒕𝒓𝒐 𝒅𝒂 𝒕𝒆𝒓𝒓𝒂


SINOPSE

«Depois de descobrir e decifrar um misterioso manuscrito rúnico, onde um alquimista islandês afirma ter ido ao centro da Terra, o Professor Otto Lidenbrock, o seu sobrinho Axel e Hans, um caçador islandês, partem numa grandiosa viagem às profundezas da Terra. E é então que começa a verdadeira aventura. Um novo mundo aguarda-os, um mundo onde o tempo parou…onde os dinossauros ainda andam pelas florestas, gigantescos animais dominam os mares e homens pré-históricos habitam as cavernas.

Mas conseguirá o grupo regressar a casa e abandonar um mundo repleto de perigos?» Fonte

 

𝗔𝘀 𝗔𝘃𝗲𝗻𝘁𝘂𝗿𝗮𝘀 𝗱𝗲 𝗦𝗵𝗲𝗿𝗹𝗼𝗰𝗸 𝗛𝗼𝗹𝗺𝗲𝘀



 SINOPSE

«As Aventuras de Sherlock Holmes, publicado pela primeira vez em 1892, reúne doze contos publicados inicialmente entre 1891 e 1892 na revista The Strand. Nesta colectânea podemos encontrar, entre outros casos, Um Escândalo na Boémia, que gira à volta da astuta Irene Adler, Um Caso de Identidade, A Faixa Malhada ou O Mistério do Vale Boscombe.Sempre coadjuvado pelo inestimável Doutor Watson, Sherlock Holmes nunca deixa por resolver os casos que lhe são apresentados. Graças ao seu método lógico-dedutivo, Holmes consegue sempre surpreender os leitores com as suas deduções, recorrendo às coisas mais triviais para solucionar mistérios aparentemente insolvíveis, com a inteligência e a acutilância que o transformaram numa das mais brilhantes e fascinantes personagens da literatura policial.» Fonte

5 de maio de 2021

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)

Fonte

 

1º ANO DO BLOGUE DA BIBLIOTECA ESCOLAR

 

O nosso blogue comemora, hoje, dia 5 de maio de 2021, um ano de muitas histórias e é com grande satisfação que o assinalamos. Pretendemos ser um espaço agregador de conhecimentos e recursos diversificados, implicado no suporte às aprendizagens e na formação de leitores críticos. Procuramos promover o livro, a leitura e a ligação com toda a Comunidade Escolar. Este blogue tornou-se um elo de comunicação entre os responsáveis da Biblioteca e todos os seus utilizadores.

Estamos todos de parabéns e desejamos as maiores felicidades com boas leituras.


A Equipa da Biblioteca Escolar


A língua portuguesa


 


 

𝓓𝓲𝓪 𝓜𝓾𝓷𝓭𝓲𝓪𝓵 𝓭𝓪 𝓛í𝓷𝓰𝓾𝓪 𝓟𝓸𝓻𝓽𝓾𝓰𝓾𝓮𝓼𝓪


“A data de 5 de Maio foi oficialmente estabelecida em 2009 pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) - uma organização intergovernamental, parceira oficial da UNESCO desde 2000, que reúne os povos que têm a língua portuguesa como um dos fundamentos da sua identidade específica - para celebrar a língua portuguesa e as culturas lusófonas. Em 2019, a 40ª sessão da Conferência Geral da UNESCO decidiu proclamar o dia 5 de Maio de cada ano como "Dia Mundial da Língua Portuguesa".
A língua portuguesa é não só uma das línguas mais difundidas no mundo, com mais de 265 milhões de falantes espalhados por todos os continentes, como é também a língua mais falada no hemisfério sul. O português continua a ser, hoje, uma das principais línguas de comunicação internacional, e uma língua com uma forte extensão geográfica, destinada a aumentar.

Os Dias consagrados às línguas faladas em todo o mundo celebram anualmente o multilinguismo e a diversidade cultural, e constituem uma oportunidade para sensibilizar a comunidade internacional para a história, a cultura e a utilização de cada uma destas línguas. O multilinguismo, um valor central das Nações Unidas e uma área de importância estratégica para a UNESCO, é um fator essencial para uma comunicação harmoniosa entre os povos, promovendo a unidade na diversidade, a compreensão internacional, a tolerância e o diálogo.”

Fonte: https: //pt.unesco.org/commemorations/portuguese-language-day

Entre Cães e Gatos - Os animais da minha vida


SINOPSE

«Testemunhos ternos e reais sobre a importância dos animais de estimação e o impacto do seu amor, dedicação e lealdade na nossa vida são a matéria-prima deste livro de José Jorge Letria. Através das histórias aqui evocadas destes amigos de quatro patas podemos aprender muito sobre o amor e a capacidade de amar.

«Os cães e os gatos têm ocupado na minha vida o lugar dos afectos que perduram. Confesso que tenho chorado quando eles partem e sentido a alegria de os ver chegar e crescer, sempre disponíveis para dar tudo o que lhes vai no coração.»
José Jorge Letria» Fonte

 

3 de maio de 2021

O Alfabeto dos Bichos


Plano Nacional de Leitura

Livro recomendado para o 1º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.


Através de rimas divertidas, José Jorge Letria dá-nos a conhecer muitos animais, provenientes dos mais diversos meios. As ilustrações de André Letria contribuem para fazer deste livro um objecto de descoberta para além do texto. Um livro que convida a criança a entrar no mundo animal de forma didáctica.

EXCERTOS

"Foca

Seja no mar ou na terra

É alegre e brincalhona

E quando adormece ao sol

Às vezes até ressona;

Não tem perdão quem a caça

Pois é espécie protegia

Come peixe, ama as ondas

E lá vai à sua vida."

Fonte 


𝗖𝗮𝗿𝘁𝗮𝘀 𝗮 𝗨𝗺 𝗝𝗼𝘃𝗲𝗺 𝗣𝗼𝗲𝘁𝗮

SINOPSE
«Cartas a um Jovem Poeta é uma coleção de dez cartas escritas por Rainer Maria Rilke a Franz Xaver Kappus, um jovem militar que aspirava ser poeta.
De 1902 a 1908, Rilke oferece a sua orientação e revela a sua perspetiva sobre viver com incertezas, a superficialidade da ironia, a inutilidade da crítica, escolhas de carreira, a criatividade e a solidão. 

Cartas a um Jovem Poeta é, assim, um manual de vida. A arte, disse Rilke ao jovem poeta na sua última carta, é apenas outra forma de vida.» Fonte


 

2 de maio de 2021

𝓕𝓮𝓵𝓲𝔃 𝓓𝓲𝓪 𝓭𝓪𝓼 𝓜ã𝓮𝓼


 

POEMA - DIA DA MÃE

 MINHA MÃE

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Tenho medo da vida, minha mãe.
Canta a doce cantiga que cantavas
Quando eu corria doido ao teu regaço
Com medo dos fantasmas do telhado.
Nina o meu sono cheio de inquietude
Batendo de levinho no meu braço
Que estou com muito medo, minha mãe.
Repousa a luz amiga dos teus olhos
Nos meus olhos sem luz e sem repouso
Dize à dor que me espera eternamente
Para ir embora. Expulsa a angústia imensa
Do meu ser que não quer e que não pode
Dá-me um beijo na fronte dolorida
Que ela arde de febre, minha mãe.

Aninha-me em teu colo como outrora
Dize-me bem baixo assim: — Filho, não temas
Dorme em sossego, que tua mãe não dorme.
Dorme. Os que de há muito te esperavam
Cansados já se foram para longe.
Perto de ti está tua mãezinha
Teu irmão, que o estudo adormeceu
Tuas irmãs pisando de levinho
Para não despertar o sono teu.
Dorme, meu filho, dorme no meu peito
Sonha a felicidade. Velo eu.

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Me apavora a renúncia. Dize que eu fique
Dize que eu parta, ó mãe, para a saudade.
Afugenta este espaço que me prende
Afugenta o infinito que me chama
Que eu estou com muito medo, minha mãe.


 Vinicius de Moraes (Rio de Janeiro , 1933). em “O Caminho para a Distância”. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

 


O Livro dos Dias de José Jorge Letria




SINOPSE

Plano Nacional de Leitura

Livro recomendado para o 2º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.

Sinopse

“Quase todos os dias há, no nosso calendário, datas para celebrar que têm significado nacional e internacional e que nos ajudam a ser melhores cidadãos. De forma poética, o autor escreve sobre o que representam esses dias e sobre o modo como eles nos podem tocar e mobilizar para causas e valores. Cada poema vale por si, mas o conjunto tem o valor de um olhar sobre as coisas que vale a pena lembrar, nas datas certas, e que podem tornar este mundo melhor.”

Fonte:https://www.almedina.net/o-livro-dos-dias-1564054740.html

DISPONÍVEL NA TUA BIBLIOTECA!

𝐌ã𝐞


 

Sem Rede


«Esta história, Sem Rede, podia bem ser a tua ou quem sabe, a de alguém que conheces.

Viajar com a turma toda ia ser espetacular! E foi por isso que a Bárbara e o Ricardo, assim como todos os outros colegas, nem queriam acreditar quando, no dia da partida, foram criados grupos, nos quais os amigos habituais foram propositadamente separados.

Cada grupo viajou na sua camioneta. Ficaram alojados em parques de campismo diferentes e os professores guardaram os telemóveis de todos. Que filme!

Mas, ao chegarem ao destino, o cenário que lhes parecia terrível mudou. Tinham muito para fazer e aprender. E quando foram surpreendidos pelo perigo de um grande incêndio, a união entre eles revelou-se essencial para salvar vidas.

Uma história sobre a importância da entreajuda e da esperança.» Fonte

 

𝑺𝒐𝒄𝒐𝒓𝒓𝒐, 𝑬𝒍𝒆𝒔 𝑪𝒓𝒆𝒔𝒄𝒆𝒎 𝑻ã𝒐 𝑹á𝒑𝒊𝒅𝒐!



 «Depois do enorme sucesso de “Socorro… Sou Mãe!”, Rita Ferro Alvim regressa à escrita com Socorro…eles não param de crescer, onde nos fala, num tom bem-humorado e descontraído, sobre os desafios de educação que se vão colocando aos pais à medida que os nossos filhos crescem.» Fonte

1 de maio de 2021

𝐂𝐨𝐫𝐚çã𝐨 𝐝𝐞 𝐌ã𝐞


«Os cardiologistas e outros cientistas fizeram por estes dias uma descoberta que veio espantar o mundo. Ao observarem, ao detalhe, um coração de mãe descobriram que este órgão não é apenas um músculo que bate sem parar… mas sim um lugar mágico onde acontecem as mais extraordinárias das coisas.» Fonte
 

Porto, Profissões (quase) desaparecidas


SINOPSE

«"Quem merca penca ou tronchuda!", "Olha o Notícias, já traz o crime!", "D'agora viva...! É do nosso mar!", "Ó freguesa, não quer levar?"

No Porto de outros tempos os pregões reboavam pelas ruas, pintando um quadro típico da azáfama da cidade. Muitos conhecem o epíteto "Porto, capital do trabalho"; poucos conhecerão os ofícios que lhe deram origem...

Este meu livro relembra e dá a conhecer alguns dos ofícios que ocupavam as gentes do Porto: uns entretanto desaparecidos, outros adaptados aos tempos modernos. A todos pretende render homenagem.

Nestas páginas, o leitor vai também descobrir porque é que as carquejeiras merecem uma estátua, que truques usavam as leiteiras para rentabilizar o negócio ou porque é que os moleiros eram mal vistos pela Igreja. Estas e muitas outras curiosidades de ofícios desconhecidos ou quase desaparecidos que fazem parte da história da cidade.» Fonte

 

O que eu quero ser...


SINOPSE

Plano Nacional de Leitura

Livro recomendado para o 1º ano de escolaridade, destinado a leitura orientada.

«Em versos musicais e criativos, José Jorge Letria homenageia neste livro um conjunto de profissões que muitas crianças têm no seu horizonte. É um livro que dá aos leitores mais pequenos um mundo de ofícios que querem conhecer.

Veterinário, músico, ator, bibliotecário, poeta… são aqui apresentados com a imaginação, sensibilidade e mestria que tão bem caraterizam a obra infantil de José Jorge Letria.

O que eu quero ser… foi escrito para os mais novos, mas também para os pais e educadores que partilham com as crianças todos os sonhos e histórias reais que cabem na vida.»

 

A Bibliotecária de Auschwitz



 SINOPSE

«Minuciosamente documentado, e tendo como base o testemunho de Dita Dorachova, a jovem bibliotecária checa do Bloco 31, este livro conta a história inacreditável, mas verídica, de uma jovem de 14 anos que arriscou a vida para manter viva a magia dos livro, ao esconder dos nazis durante anos a sua pequena biblioteca, de apenas oito volumes, no campo de extermínio de Auschwitz.

Sobre a lama negra de Auschwitz, que tudo engole, Fredy Hirsch ergueu uma escola. Num lugar onde os livros são proibidos, a jovem Dita esconde debaixo do vestido os frágeis volumes da biblioteca pública mais pequena, recôndita e clandestina que jamais existiu.

No meio do horror, Dita dá-nos uma maravilhosa lição de coragem: não se rende e nunca perde a vontade de viver nem de ler porque, mesmo naquele terrível campo de extermínio nazi, «abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias». Fonte

Quero ser Escritor


 SINOPSE

Plano Nacional de Leitura

Livro recomendado para o 5º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.

«Gostas de Desafios? Este livro é para ti! Se acreditas nas palavras e no poder da imaginação, este livro é mesmo para ti! Quero ser Escritor apresenta-te uma forma diferente de olhar para a escrita. Através de vários exercícios, vais descobrir a tua enorme capacidade para criar histórias, escrever diálogos, jogar com as palavras e desafiar muitas regras! Vais também aprender a olhar para os textos de forma diferente. Diverte-te a conhecer o mundo da escrita! Quero ser Escritor é aconselhado a crianças e jovens, pais e professores, e a todos os que vêem na escrita uma componente essencial da educação.» Fonte

AUTOR DO MÊS



“José Jorge Letria. Ficcionista, mas também jornalista, poeta, dramaturgo. Nasceu em Cascais, em 1951, onde foi vereador da Cultura entre 1994 e 2002. Tem livros traduzidos em mais de uma dezena de idiomas e foi premiado em Portugal e no estrangeiro, destacando-se dois Grandes Prémios da APE, o Prémio Aula de Poesia de Barcelona, o Prémio Internacional UNESCO, o Prémio Eça de Queiroz – Município de Lisboa e o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte. O essencial da sua obra poética encontra-se condensado nos dois volumes da antologia O Fantasma da Obra. Ao lado de nomes como José Afonso e Adriano Correia de Oliveira, foi um dos mais destacados cantores políticos portugueses, tendo sido agraciado, em 1997, com a Ordem da Liberdade. É mestre em Estudos da Paz e da Guerra nas Novas Relações Internacionais pela Universidade Autónoma de Lisboa e pós-graduado em Jornalismo Internacional.
Doutorou-se com distinção em Ciências da Comunicação no ISCTE, em Setembro de 2017. É presidente da Sociedade Portuguesa de Autores e do Comité Europeu de Sociedades de Autores da CISAC.
É coautor, com José Fanha, de várias antologias de poesia portuguesa.”

Fonte:https://www.portoeditora.pt/autor/jose-jorge-letria/1762

O Livro das Rimas Traquinas de José Jorge Letria

 

SINOPSE

Plano Nacional de Leitura

Livro recomendado para o 3º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.

“Este livro está cheio de rimas e de ilustrações traquinas.

É altamente recomendado para quem gosta de dar gargalhadas e acredita em coisas impossíveis.

José Jorge Letria é um dos mais destacados criadores de livros para crianças e jovens em Portugal. Alguns dos textos incluídos neste livro já foram musicados e todos eles já fizeram rir leitores de todas as idades.

O autor utiliza o humor, os trocadilhos e os jogos de palavras para inventar textos divertidos e estimulantes para pequenos leitores e escritores.

As ilustrações de Luís Manuel Gaspar acrescentam valor e distinção a esta obra, tornando-a mais apelativa para os leitores de todas as idades.”

Fonte:  https://www.wook.pt/livro/o-livro-das-rimas-traquinas-jose-jorge-letria/19677714

Valente Valentina


«Valentina Vladimirovna Tereshkova (n.1937) foi a primeira mulher astronauta e a única até hoje a ter ido ao espaço sozinha. Como se lê num texto da analista Vera Gomes incluído no final do livro, “inspirada por Yuri Gagarin (primeiro homem no espaço em 1961), Valentina voluntariou-se para o programa espacial soviético” e foi a sua experiência como paraquedista que lhe garantiu a seleção. A 16 de junho de 1963 subiu ao espaço aos comandos da nave Vostok 6 para recolher informação sobre o impacto da gravidade no corpo e completou 48 órbitas em 71 horas, com uns quantos percalços no regresso. Um feito recriado de forma surpreendente em Valente Valentina – ou Mighty Valentina, uma vez que o livro é bilingue –, onde Andreia Nunes coloca a cosmonauta ainda menina e a sonhar, num dia de eclipse solar, ir até às estrelas numa nave espacial (improvisada na máquina de lavar) e viver uma grande aventura.» Fonte
 

Porque se comemora o Dia do Trabalhador?

 

Fonte

«A data para as celebrações do 1º de Maio, foi decidida no Congresso Socialista de 1889, como uma campanha internacional a favor das oito horas de trabalho.

Desde Maio de 1890, o dia um é marcado pela luta e reivindicação dos trabalhadores da Europa e dos Estados Unidos. Mas se para uns este dia é comemorado ao estilo de uma festa popular, noutros países a comemoração traduziu-se em manifestações e tumultos.

Em Portugal, os trabalhadores aderiram a esta comemoração e sob o olhar de D. Carlos, nasceram os encontros da massa de trabalhadores, no que eram secundados pelos patrões, que se consideravam oficiais dos mesmos ofícios.

A comemoração centrava-se num desfile que atravessava a Avenida da Liberdade e seguia até ao Cemitério dos Prazeres, onde eram colocadas flores no túmulo de José Fontana, republicano socialista que levantara o movimento operário em Portugal.

A manifestação era organizada pela Federação das Associações Operárias, com bandas de música que tocavam o Hino do 1º de Maio, composto pelo pianista Eduardo Garrido. A cidade apresentava-se de traje domingueiro e alinhava no cortejo, que contava ainda com carros alegóricos que a Associação da Classe correspondente enfeitava.


Portugal enfrentava uma época económica problemática, devido aos conflitos que existiam entre os países imperialistas e à crise argentina, que culminou em Portugal com a falência da casa bancária Baring & Bros, os banqueiros do Estado Português. Também a abolição da escravatura no Brasil e a proclamação da República em 1889, afectaram a transferência dos haveres portugueses naquele país.

Foi na segunda metade do século XIX que as lutas laborais mais se desenvolveram no nosso país, nas mais variadas vertentes. De 1890 a 1892 as associações laborais intervieram na formação social e económica, organizados num quadro legal que nunca antes haviam tido.

No século XIX foi reconhecido o direito de associação aos trabalhadores, o que possibilitava a formação das associações de classe, a que se seguiu a regulamentação, por parte do Estado, do trabalho das mulheres e dos menores nos estabelecimentos industriais. Mas o movimento operário chegou mais longe e empenhou-se na conquista das melhorias laborais e sociais, promoveu acções culturais e de desenvolvimento da educação.

É nesta altura que surgem as associações mutualistas, que se organizam de forma a proteger os trabalhadores em caso de acidente e as suas famílias, para além de promoverem a cultura nas classes mais baixas.

A Sociedade dos Artistas Lisbonenses ou Sociedade dos Artistas, fundada no final de 1838, por 19 operários de vários ramos, foi a primeira associação operária a nascer, o que motivou o movimento de emancipação operária que se seguiu.

A segunda associação que lutou para promover melhorias na classe operária, foi o Centro Promotor de Melhoramentos das Classes Laboriosas, fundado em 1850.

A terceira e talvez mais conhecida, foi fundada em 1883 com o nome de Sociedade de Beneficência e de Instrução A Voz do Operário, criada pela classe dos operários manipuladores de tabaco, uma das que enfrentava as mais duras condições de trabalho, com horários de 14 a 16 horas, salários baixos, péssimas condições de salubridade e ainda castigos corporais.


«Com a entrada do regime salazarista, só após o 25 de Abril de 1974 se comemorou de novo o Dia do Trabalhador, aliás, esta foi a primeira grande comemoração que decorreu após a revolução dos Cravos.

A importância do 1º de Maio na história

Fonte
Mas o 1º de Maio tem origens mais remotas. Os romanos, ainda antes de Cristo, comemoravam o primeiro de Maio como uma data solene dedicada às deusas Flora e Maia. A festa celebrizava o auge da Primavera e um tempo de abundância. Era um dia de tal forma sagrado que mesmo o trabalho dos escravos era suspenso.

Na Idade Média, as comemorações continuaram, como forma de agradecimento pelas colheitas. Entre os trabalhadores dos tempos modernos, essa comemoração manteve-se sobretudo nos séculos XVIII e XIX, o que pode explicar a escolha da data, uma vez que a maioria dos operários era de origem camponesa.

As lutas laborais que se fizeram ouvir no século XIX, continuam hoje, embora formuladas de outros modos, através das centrais sindicais, que lutam por uma melhoria contínua na vida dos trabalhadores e das suas condições de trabalho. Por isso, quando comemorar este 1º de Maio- Dia do trabalhador, não o encare apenas como um feriado, mas também como o culminar de muitas jornadas de luta.» Fonte

Em destaque

1º ANO DO BLOGUE DA BIBLIOTECA ESCOLAR

Mensagens populares